Arquivo para carratu

Release 01

Para acessar a página do facebook clique aqui

Anúncios

PRIMEIRO AVISO AOS NAVEGANTES DIGITAIS

Pessoal, realizarei minha primeira travessia em solitário no mês de novembro (dia 02), saindo em um Hobie Cat 14 de Fernando de Noronha a Natal.
Esta travessia de 200 milhas em média, promete ser mais uma aventura na minha vida e está sendo muito bem planejada e estudada com antecedência, portanto não pensem que isso é feito por acaso.
Iniciarei em março atividades físicas com um personal trainer e nutricionista durante um longo período para que o meu condicionamento seja o melhor possível.
Também estou adquirindo equipamentos esportivos de alta performance, e tudo isso gera um universo de altos custos, onde os patrocinadores e apoiadores se tornarão essenciais para o sucesso, então aceito indicações, e como tenho uma agência de publicidade, o retorno posso garantir que será o melhor possível.
Para quem quiser me acompanhar, nos preparativos em terra, poderá ir vendo através do meu blog velejar.wordpress.com ou aqui mesmo no facebook. O projeto original está na Marinha, e os avisos aos Iates Clubes serão feitos alguns meses antes da travessia.

Queria aproveitar para agradecer ao amigos que me apoiaram nesta fase de decisões, como Nilbertt e tantos outros que me escrevem passando informações para a realização deste momento.

Para baixar a apresentação da travessia clique aqui.

O PRIMEIRO BARCO DA VIDA, A PRIMEIRA VELEJADA… E NENHUMA FOTO. QUEM SE IMPORTA?

Nossa compulsão atual de compartilhar com o mundo a nossa vida tem promovido uma verdadeira angústia da foto. Temos que fotografar, registrar, compartilhar cada momento, cada instante, cada experiência. E fazemos, na maioria das vezes, é preciso que se diga, com um enorme prazer.
A foto do filho crescendo, fofinho; o encontro com os amigos, a família reunida, o jogo de futebol, a pescaria do final de semana, tudo é motivo pra fotografia.
E a foto digital, ixi, transformou o registro visual em uma leve brincadeira, a mil cliques por minuto.
O que dizer, então, do primeiro barco adquirido na vida de um velejador que sonha com o mar desde criança? O primeiro encontro, bater os olhos nas formas hidrodinâmicas do casco, na brancura concreta e faiscante dele, na malemolência da vela cheia, estufada, barriguda, flap flap ao vento.
Montar pela primeira vez o barco de sua vida, que você sabe que vai montar e desmontar centenas, milhares de vezes, admirando a cada uma delas o menor dos parafusos, o cabinho mais vagabundo, e desmontar ao final da velejada, com o cansaço mais agradável que se pode sentir nesse mundo.
Eu fiz isso no último final de semana, na Barra do Cunhaú. Conheci o “meu” barco. Meu primeiro barco. Um barco com alma, que Bira Carratu não me vendeu, apenas me concedeu o direito de tê-lo (obrigado, Bira!); o direito de compartilhar da amizade deste barco, esguio, ligeiro, sereno.
Um hobie cat 14; um pequeno catamarã que desliza como um tapete voador sobre as águas, como se flutuasse atrás das mil e uma histórias de Sherazade, como se ela fosse esposa de Simbad e vivessem na ilha do tesouro encantada. Um tapete mágico atrás de aventuras de outro mundo, um mundo que só parece existir para quem ama o oceano, os povos que se espalham por suas margens e que cultivam suas histórias, seus heróis, seus monstros, suas ilhas, seus piratas, suas cores.
O meu hobie cat me levou a primeira velejada com a suavidade de quem recebe um aprendiz, um marinheiro desajeitado, com a ternura de mostrar as armadilhas, mas com a firmeza de mostrar o rendilhado que traçam seus lemes sobre as águas, em uma manhã de sol.
Tenho que confessar: meu hobie cat é lindo. Me desculpem os donos de hobie cat, mas acho que igual a ele não tem. Quem quiser provar o contrário, vamos nos encontrando nos bom fins de semana pra disputar essa peleja.
Eu conheci meu barco, meu primeiro barco, velejei, sem perceber, por mais de duas horas, comecei uma amizade com ele, trocamos ideias e, acreditem, eu não tirei uma foto desse momento. Nem Bira, nem minha esposa em terra, ninguém lembrou de um simples registro fotográfico, com o celular mais fulera que estivesse a mão.
E isso, amigos, não fez – e não está fazendo – a menor diferença.
Porque tudo está registrado aqui, bem aqui, nas minhas retinas fatigadas e em meus neurônios já gastos; tudo que um velejador espera do primeiro dia com seu primeiro barco.
Está tudo aqui.
Vocês conseguem ver também?

Lucílio Barbosa

A evolução

É impossível negar, mas o mundo dos HC´s é inpirador não só pela sua história, mas pela quantidade de barcos que nós temos aqui no Brasil por causa do sucesso desta marca e de alguns comerciais da Hollywood. Hoje, encontramos muitos deles já sucateados e tantos outros novos, mas um Hobie Cat sempre será a menina dos olhos de quem veleja em catamaran.

Porém esse apelo de velejar em catamarans, pendurado por em um trapézio, com aquele sol lindo do nordeste e água quente está mudando lentamente de nome, e uma nova marca que chegou no mercado nos anos 70 é a responsável por esta mudança, o NACRA.

Na europa o Nacra Infusion é atualmente o mais divulgado catamarã de F18, além de fazer parte de 15 projetos da marca. Foi concebido para disputar o circuito internacional de Formula 18 onde se tornou uma das principais referências pelas repetidas vitórias nas mais importantes provas mundiais. Ele é um barco carimbado por velejadores experientes e muito confiável além de ter sido testado exaustivamente em relação a sua durabilidade, em cruzeiros como que o Beto Pandiani faz em um Nacra 20 pés.

Mas para aqueles que ainda assim não acreditam nessa evolução do HC para o NACRA, veja as características desse barco.

Comprimento: 5,52m
Largura: 2,60m
Altura do mastro: 9,15m
Área da Vela Grande: 17m2
Área do Estai: 4,15m2
Área do Spinnaker: 21m2
Peso: 180kg
Cascos: Fiberglass
Tripulação: 2 tripulantes em trapézio

As vendas deste tipo de barco estão bombando na europa e o Velejar Catamaran deixa um alerta:  A evolução destes barcos não e modinha, veio para ficar e eu atesto a qualidade deste F18, o qual já me tornei um proprietário.

Anúncio da Americas Cup

Um vídeo curto, mas com o verdadeiro espírito da vela embutido nele.

Catamarã é arte

Nesta semana, visitei o ateliê do amigo Flávio Freitas que fica no bairro da Ribeira (alí na rua do Buraco da Catita) e quando cheguei no seu local de trabalho, normalmente meio bagunçado com muitas tintas,  pinceis e telas espalhadas para todos os lados, me deparei com uma obra magnífica que ainda estava em fase de conclusão.

É um trabalho em PB, feito sob encomenda a um cliente que retrata um catamarã e suas viagens. A obra dispensa explicações, e traz traços característicos do artista, como a boa e velha bicicleta circulando em ondas lúdicas que se misturam com a sensação de marolas produzidas pelo lemo do barco. Outros detalhes são muito peculiares de sua obra, mas a questão é a beleza de se retratar tantos cenários em uma única tela, sem perder o seu encantamento. É uma das primeiras obras que vejo de muitas que conheço, onde um Catamarã é retratado.

Para todos que gostam de catamarã e de obra, este post foi escrito para vocês.

Para quem quiser conhecer mais obras do artista, pode entrar no flickr da DzoDzo Creative Design e apreciar outros trabalhos.

Cancelado não, adiado!

A Cuba Run 2010 Regatta, uma regata de catamarãs que acontecerá entre Key West e Cuba, que estava planejada para ocorrer na segunda semana de novembro de 2010, foi adiada para o outono de 2011. De acordo com o http://groups.google.com/group/the-cuba-run , o problema foi na obtenção da lincenciatura OFAC, na Agência de controles de ativos estrangeiros, e infelizmente a obtenção das licenças para a corrida não foramconseguidas a tempo. Apesar dos organizadores terem continuado na insistência em obter a licença OFAC, a data do evento já estava muito próxima e tanto os velejadores como os organizadores não poderiam se sujeitar a aguardar que a licença fosse aprovada. Mas a data do ano que vem, OUTONO/2011 já está marcada. O bom desta situação será que a corrida terá mais visibilidade e possivelmente um número maior de participantes, além de contar com uma estrutura melhor, devido à maior quantidade de tempo que os organizadores terão para deixar tudo em ordem para o grande dia. Agora, é só aguardar!

%d blogueiros gostam disto: